sábado, 16 de julho de 2011

Intenso


Eu te contemplo, em um fluxo de tempo no qual não existe o próprio tempo: eu te tenho na beleza de um anjo desde antes de todos os tempos, desde depois de todos os séculos…

Como pode ser assim?... Tudo em você é sagrado. Sua voz, esse timbre leve, gostoso, perfeito: essa canção que ecoa na minha alma; sua imagem, esse desenho límpido, belo, de formas milimetricamente certas; esse seu cheiro, em perfume inédito; o seu sabor, o que alimenta a minha carne e a minha alma.

O que é o certo afinal?... Eu só me encontrei quando me vi em você; eu só fui feliz, quando senti seu sorriso para mim; eu só fui homem, quando me deleitei em sua mulher; eu só percebi a vida, quando notei que posso viver em você…

sábado, 9 de julho de 2011

Um poema quieto

Estou a pensar pausadamente...

Como quem dorme de olhos abertos.

Olho para tudo com muita paciência.

Vejo melhor os rios.

Sinto mais intenso o vento.

Enquanto meus olhos demoradamente sorriem,

Porque o amor aquietou meu peito.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Dor de uma saudade

Vivo a agonia das horas longas

Contado os milésimos de segundo

Que faz o tempo ser um carrasco impiedoso.

...

E o quanto dói essa saudade?

Dói o suficiente. Dói além do que precisa.

domingo, 3 de julho de 2011

Aos que amam demais


A saudade pediu um canto do quarto

Sentou-se no chão frio

Fitou a meia luz da luminária

Mediu as dimensões da cama

Olhou para as paredes frias

Testeminhas da dor de se estar só

Só em sol maior de música triste

Que embalada a ausência

Que nunca finda a espera

Do sentimento que sustenta

A alma inquieta dos que amam demais

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP