quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Almas nossas


Soa a valsa ao longe
Sobe aos céus os pássaros
Desgarra a folha o vento
Rutila o desejo nas faces
Nossas faces
Todas elas
Sou a sua sombra
Sombra que habita igual
No beijo da sua boca
Nas mãos da sua alma
Nas almas nossas
Salvas em nós

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Para você que é minha canção







Copo de Champagne
Tata Alves
Composição: Tata Alves

Meu prazer é te fazer bem mais feliz
Que hoje somos
Muito mais que apaixonados, amo amar você
E cantar num canto uma canção para você que é minha canção

Meu prazer
Te dar prazer sentir você
Querendo mais e eu quero sempre mais

Experimentar num copo de champagne
O gosto do teu corpo todo em mim
E acordar com você

Meu prazer
Te dar prazer sentir você
Querendo mais e eu quero sempre mais
Mais
Mais e eu quero sempre mais.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Porque hoje é HOJE!


O hoje é sempre uma dádiva. Estou demasiadamente esperançosa, não por projetar o que será no futuro, pois, pra que eu faça isso, é necessário o meu agora. Eu preciso do meu agora. Fiquei tempo demais esperando que o ontem retornasse e que o amanhã chegasse logo. Dei-me conta de quê os dias são curtos demais e a vida acontece mediante ao que sou hoje. Hoje eu tenho mais uma chance, uma nova escolha, um novo sentido... Já passei dias inteiros trancada no quarto, esperando não sei o quê, sentindo a falta não sei de quem, morrendo aos poucos por acreditar que amanhã seria diferente.


O que conta é o hoje. É esse minuto que escrevo agora, o beijo de daqui a pouco, a satisfação de estar fazendo o que tanto gosto... Eu não quero mais ouvir : “ Isso passa”, “Amanhã é outro dia”... Sim, amanhã será outro dia novo e não mais o dia que eu posso esperar para dizer que o outro amanhã também me trará o que quero. Onde eu estava com a cabeça quando acreditei que poderia ser diferente do que sempre fui? É tão engraçada essa vida. Vivemos o tempo todo tentando provar aos outros, coisas que nunca mudam. Eu sou assim e sinto-me bem dessa maneira. Eu jamais poderei fazer pelos outros, sem antes fazer por mim, pois quando tentei fazer isso, perdi tempo demais e deixei de saber quem eu era. Vivia na ilusão de que o amor suportaria qualquer confusão e me confundi mais ainda.

Hoje, tenho enxergado alguém que sempre me fez muito bem, mas, eu nunca soube disso. Esse alguém sou eu. Cheia de defeitos, esquisitices e pensamentos abstratos, mas, feliz por ser quem sou e por dormir todos os dias com a consciência tranquila por saber que o meu HOJE valeu demais a pena. Como sempre, vejo poesia em tudo. Deixo então, uns versos sobre isso:

Pequei quando esperei o tempo
Esqueci a improvável paz
Desmedi em infindável lamento
O que já nem vivia mais.

O hoje de braços abertos me espera
Agora cuido de flores novas
Cultivando todo dia uma nova primavera


*Devo isso tudo a você que me fez entender de mim.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

As palavras retornam porque sentem a minha falta


Eu sinto, por vezes, ignoro.
Faço-me calar, quem sabe.
Não sei por que escrevo.
Padeço da maldição da escrita.
Há um torpor da consciência.
Um desfalecer de rimas.
Quando a alma se fartou, havia respostas?
Meus pensamentos se embalam,
ao passo que se esbarram e
se confundem.
Eu escuto a alma que grita muda.
Olho os demais sempre a margem.
O que sou de fato, senão de mim uma miragem?
Ao longe me vejo.
Não queiram entender de poetas,
pois, os mesmos não se entendem.
Já não tenho mais pressa.
Encontrei olhos cativos.
Descobri minha paz que dorme agora.
Quando saio de mim e vago por aí,
olho as sobras dos outros e os exageros de mim.
Não há nada o que entender.
Só eu sei o que significa tudo daqui pra cima.
Ah, as palavras! Elas mesmas se confundem.
Brincam de esconder e depois se perdem.
Fico a mercê de todas elas como um vassalo.
Como uma princesa sem castelo.
Como um guerreiro sem espada.
Mas, sem elas, não sou nada.
Elas fazem promessas curtas,
e logo retornam a folha virgem.
Retornam a mim,
porque sentem a minha falta.



*Eu resolvi declamar esse poema. Já adianto, eu não faço isso bem,além do mais, estava chovendo. Mas, gravei, me deu vontade de fazer isso, achei que ficou mais ou menos e quis compartilhar. Aviso, eu sou mineira e o sotaque não nega, rs! Eu gostei muito desse poema, e isso, é raro de acontecer. Espero que gostem. Fiquem à vontade.


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Amanhã de manhã (uma canção)





Amanhã de manhã
Tata Alves

Amanhã de manhã
Vou levantar,
levar café na cama e te beijar
Admirar teu rosto
Ouvindo, vindo o som da sala
A nossa mesma velha música
E te tratar rainha
Preparar o banho e te esperar com a toalha
E ver você toda molhada
E me molhar no teu abraço
E te mostrar que o mundo não parou
Sentir teu coração no meu
Fazendo festa como eu
Te amando, simples como sou.


* Coisas da paixão...

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Oba, selinho!


Ah, olha só que fofo isso, gente! Ganhei da Angel do "No princípio era o verbo". Obrigada, Angel! É o segundo que você me dá, e olha só, eu fiquei feliz demais quando vi meu nome lá! Você é uma pessoa maravilhosa e escreve muito bem. É um doce de pessoa, gente! Também! Ela é um anjo, mora numa nuvem e cuida com carinho de um montão de gente!
Um beijo, minha linda!

Bem, eu não sou muito boa nessas coisas de Selinho, mas, tô curtinho isso aí, rs!

Bem, tem que responder uma pergunta e depois indicar 9 blogs !!!

Afe...Vai lá, rs

Pra mim o que não tem preço?

Um beijo roubado, um abraço sincero; minha família toda; a comida da minha mãe; um quindim (vício, rs); quando escrevem poesias pra mim; o pôr e o nascer do sol; o sorriso de quem amo; o reconhecimento dos meus alunos... Nossa são tantas coisas! ( eu sou exagerada, eu sei :/) rs!

Ah, tem que indicar, né? rs ( Ahhh, que difícil!!) Eu gosto tanto de um montão de blogs, mas, me perdoem os que aqui não estão, no próximo, com certeza vocês irão estar.

Indicações:


No príncipio era o verbo, Angel ( Vale? Se não vale, tá valendo!)

Coração de Mulher, Fabi Paranhos

Suor de um rosto, Luís

A barca do amantes, Leonardo B.

Um vento na ilha, Sônia

Memorial de Sonhos, Larissa Costa
Minha Sinapse, Júlio

Contemporanizando, Guh Paiva

Felicidade Clandestina, Giovanna M

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

A letra inconstante


Matei-me no tempo certo,
diante dos olhos inocentes,
dos anjos anunciadores.
Fiz morada nova dentro de mim,
e nesse incompreensível ventre,
de onde nascem os versos senhores,
escrevo do meu “eu” que é assim.

Destilo a poesia mansa,
e do inferno me esquivo.
Minha letra a paz então alcança,
Sendo essa minha inconstância,
a mansidão da qual ainda sobrevivo.

Extremos. Oscilações. Paz.
Vivo na tênues dos sentidos,
nesses versos incompreendidos,
que não se calam jamais.

Sei sorrir diante da graça imortal da dor tamanha,
E no altar da poesia onde o amor domina toda a prece,
acalmo meus versos nessa minha estranheza estranha,
pra dizer que sou poeta onde a inspiração jamais fenece.

Só saudade...

-Você é poesia; o olhar, seus olhos de falso triste; meu lago profundo onde me perco de tudo ao meu redor; sua voz, seu cheiro, sua luz; você brilha; e como brilha!

É só saudade. Uma deliciosa saudade...



Estrelas - Oswaldo Montenegro

Pela marca que nos deixa
A ausência de som que emana das estrelas
Pela falta que nos faz
A nossa própria luz a nos orientar
Doido corpo que se move
É a solidão nos bares que a gente frequenta
Pela mágica do dia
Que independeria da gente pensar
Não me fale do seu medo
Eu conheço inteira sua fantasia
E é como se fosse pouca
E a tua alegria não fosse bastar
Quando eu não estiver por perto
Canta aquela música que a gente ria
É tudo que eu cantaria
E quando eu for embora, você cantará


* Eu sinto mais que uma saudade. Eu sinto todas. Ouvir nossas músicas, lembrar seu sorriso e te desejar a todo instante, me cura.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Se...

Se perguntares por onde andei?
Direi que andei nos versos dos teus versos
e nas palavras que junto a ti um dia eu jurei....
...

Se perguntares do que aprendi do meu andar,
irei dizer que muito ainda não sei,
mas, minhas certezas irão reafirmar,
que na vida eu somente amei.
...

Se disseres que me viu chorar pelo caminho,
irei confirmar cada lágrima desse meu pranto,
pois, por devoção a ti, acertei meu desalinho,
e meu sorriso converteu-se em seu encanto.

...
Se quiseres saber ainda mais do meu amor,
Abrace junto comigo o infinito de todas as dimensões.
Se quiseres saber da felicidade e não mais da dor,
saiba que juntos somos a cura de nossas imperfeições.


* Inspirações vindas do blog do Júlio, onde lá a partir de um comentário, surgiu a inspiração para estes versos...

Doce pecado


Eu: Quero estar com você seja no céu ou no inferno.
Ele: Acredite, estaremos em um lugar entre o céu e o inferno, chamado “Paraíso”.
Eu: Então, iremos pecar no paraíso?
Ele: Iremos, pois você é um anjo cheio de desejos e eu sou o mais audacioso dos pecadores!

Mais carinho

Ah, que lindo! Mais um mimo! Esse é da Mahria, lá do:

http://wwwantesqueeuesqueca.blogspot.com/ ( Entretantas... Eu!)
Obrigada, minha linda! Eu adorei!

Carinho


Ah, mais um selinho fofo! Esse aqui é do Leonardo B. lá do:
Obrigada pelo imenso carinho de sempre, você é um amor!

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Alma indefinida


Não há tédio em meus versos de fantasia solta,
e jamais deles irei me esquivar,
pois a poesia em minha alma está envolta.

Um dia eu disse a mim que havia outras distâncias,
quando o lugar tão perto se fazia.
Desconhecia lidar com terríveis inconstâncias,
pois nunca estive em mim como eu queria.

Hoje, habito tão somente eu.
mesmo sendo um “eu” que não se habita.
E se o entendido de uma vida é só meu,
eu sou a mais sensata forma já escrita.

Sou eu alma indefinida?
Ah, se sou, agrada-me imensamente
ser essa inquietação que não se finda.

És tu que quero tanto


Tantos sonhos em meu peito se despertam,
e a alma já não morre prematura.
Tenho a febre dos que amam em demasia.
Recubro-me dessas flores em candura,
e deixo-me levar ao som da mais bela melodia.
Sinto-me reviver em novos ares,
e a alma desejosa queima desesperada,
já não há em mim lamentos ou pesares,
só quero ouvir de ti o quanto sou amada.
E enquanto o tempo se desdobra,
e as auroras me trazem a paz e o encanto,
irei deixar-te os versos que a esta folha sobra,
Para que saibas que és tu que quero tanto.


À rosa


Rosas descem do telhado
Caem no quintal
Rosas não nos fazem mal
Só me deixam inebriado

Rosas são trazidas pelo vento
Entram porta adentro
Será minha eterna convidada
Rosa que voa sem asas

Pára no umbral
Fita seus olhos de caramelo
Rosto emoldurado pelos cabelos negros
Rosa de todos os meus apegos

Rosa, você é a própria beleza
O mundo, seu espinho
Seu sorriso, minha fortaleza
Seus passos, meu caminho

Rosa, viva a vida
que a vida lhe proporcionar
Não tombe por qualquer ferida
Tens meu peito para te refugiar

* Tudo o que eu queria, um poeta!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Só pra você, minha dádiva

Não tem jeito, eu simplesmente fico perdida em seus olhos. É como se o mundo realmente fosse uma coisa a parte. Seu jeito me deixa desequilibrada. Quando falo parece que não falo. Se sorrio, tento ponderar para não parecer boba. Você é tão lindo, de alma tão serena... E o teu riso? Ahh... é a mais perfeita poesia pra mim. Quando estou junto de você meu mundo ganha cores de primavera. Meu coração sorri. Vejo estrelas em plena luz do dia. As nossas estrelas, do nosso próprio universo.

Cuida de mim, cuida? Assim como tem feito, com uma palavra amiga, um gesto solidário, um carinho exato, desprendido de interesses... Somos movidos por essa paixão adulta e gostosa, cheia da necessidade boa um do outro. Gosto de te olhar com desejo, sentir seu corpo pedindo o meu da maneira mais louca que há. Somos assim, não é? Somos eu e você feitos dessa coisa boa. O que faremos? Não sei. Mas, sei que faremos.

Eu gosto de te cobiçar, olhar suas formas, acompanhar seus gestos de mão, o jeito como conduz uma conversa me desejando de uma maneira que me faz arrepiar a pele e sempre te desejar do jeitinho que você é. Não vejo a hora de te beijar de novo, te tocar e dizer o quanto sua presença me faz bem, e que sou feliz demais por ter você ao meu lado.
Eu amo, adoro e desejo você da maneira mais intensa que há. Um beijo.


selindo

Ah, que fofo! Ganhei da Angel, lá do No princípio era o verbo...

Valeu, me sinto honrada :)

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Cuida de mim (uma canção)



Cuida de Mim
O Teatro Mágico

Composição: Fernando Anitelli

Pra falar verdade, às vezes minto
Tentando ser metade do inteiro que eu sinto
Pra dizer as vezes que às vezes não digo
Sou capaz de fazer da minha briga meu abrigo
Tanto faz não satisfaz o que preciso
Além do mais, quem busca nunca é indeciso
Eu busquei quem sou;
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.
Cuida de mim enquanto não esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto finjo, enquanto fujo.
Basta as penas que eu mesmo sinto de mim.
Junto todas, crio asas, viro querubim
Sou da cor, do tom, sabor e som que quiser ouvir
Sou calor, clarão e escuridão que te faz dormir
Quero mais, quero a paz que me prometeu
Volto atrás, se voltar atrás assim como eu.
Busquei quem sou
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto fujo, enquanto finjo.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Somente nós



- Sou a sua extensão.


Mergulho em dois lagos de caramelo
Vicejantes no teu rosto
Enquanto do teu mel quase sinto o gosto
Tento te dissuadir do fel que lhe molha o olho
E me perco de alma e corpo
Enquanto tua voz ouço
O mundo fica tão pouco
Nada mais existe
Somente nós: de desejo dois loucos

Créditos à você, meu poeta!

Descompasso das horas boas...

Faz de mim sua fiel companhia. Sou o descompasso dessas horas boas, sorvo-me da fina garoa translúcida que teima em querer existir no clarão desses postes iguais. As noites não são mais a mim ligeiras, delas remonto meus dias antigos, construo as objeções sem valia, reconheço os erros maiores e os acertos que agora me dão a razão de paz tamanha. Deito minha alma na sua. Recolho com zelo a lágrima boa, que molha meu sorriso o qual você é o dono. Juntos, descobrimos mais daquilo que somos. Já não há menção de dúvidas: Eu te amo.

Do que sei:

O amor é grande na simplicidade.
É o detalhe mais percebido,
a premissa da felicidade,
o sonho mais real e bem vivido.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

O valor não está no diamante, mas na procura...


- Seus olhos são dois caramelos e eu sou um menino diante deles.

Quando encontramos alguém que nos conquista com gestos simples e palavras sinceras, encontramos um tesouro.

Que bom que te encontrei.


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Negra cegueira

Faças tu, falsetes modestos.
Ludibrie e embace os olhos alheios.
Alimente-se dos teus restos,
E viva destes teus falsos anseios.

Negra é a mentira em branco pano.
Cega por negrume.
Falso coração entregue ao abandono,
fadado a viver do que nunca se assume.


* Um brinde às mentiras!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

O amor ao meu lado


Tocamos o silêncio.
O amanhecer ainda é uma doce primavera.
E nesse repousar de almas, descansamos.
As horas são lentas. O mundo uma calmaria sem fim.
Minha alma adormece em seu jeito sereno.
Jeito de menino carente e homem apaixonado.
Vivo agora a mágica que faz existir o instante,
porque tenho o amor em face real,
deitado ao meu lado.


Quando há amor

Aprendi que ao invés de dizermos: “Não acredito nisso”, devemos dizer: “ Me faça acreditar nisso”. Tenho verificado a mim mesmo. Tornei-me egoísta aos olhos de muitos, infeliz, quem sabe... Isso já não mais é a mim, uma preocupação, afinal, quem sabe dos outros? Desde que, aprendi de mim, não sei de ninguém. Eu não quero ser modelo de nada, nem dona de verdades as quais muitas vezes, só eu acredito. Eu quero ser eu como tenho sido, isso realmente me traz uma paz infinita. Eu assumo todas as minhas imperfeições sem medo de mostrar a cara, antes, ponderava certas coisas, hoje, não mais.

Eu deixei de ter medo, penso demais em mim e estou amando como jamais amei em toda a minha vida. Sim, meus caros, eu amo, e isso é a minha verdade absoluta. O amor me fez entender tudo o que hoje sou e sinto. Só conseguimos amar alguém quando desesperadamente nos amamos. Eu amo você, pois, diante de todos, você compreendeu e me ensinou que “eu” sou a pessoa mais importante pra mim. E quando isso acontece, o amor existe de fato. Há então, o meu amor e o seu amor, que juntos, são o nosso amor.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Me beija!

Raro és tu, meu amor.
Difícil encontrar sorriso igual.
Raro são seus olhos, boca, traços...
Suas mãos uma nas outras,
Seu tato, seu cheiro, seus braços...
Seu corpo que sente, treme, deseja...
Sua boca que pede sedenta:
- Ei, Minha linda, me beija!
*Coisas da paixão...

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O dia que ontem se passou


Sentei comigo a beira do inóspito abismo.
Narrei-me uma velha história desencantada.
Divaguei horas a finco das coisas que eu cismo,
e das angústias e desgastes já não me resta nada.

Seguia sem enxergar a paisagem do caminho.
Pisava nos ramos inocentes por descuido breve.
Da rosa deixava-me ferir por cada espinho.
E o vento pesava-me quando deveria ser leve.

Foram-se os dias estranhos e a calmaria agora habita.
Não mudei de jeito ou deixei de ser quem eu era.
Apenas minha alma deixou de ser um tanto aflita,
para que eu pudesse enfim, apreciar a primavera.

Não vejo mais a imagem dolorida, distante e turva,
Enxergo-me agora como sempre fui e ainda sou.
E em mim, a primavera se renova, mesmo sendo chuva.
E sigo sem viver mais do dia que ontem se passou.

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP