segunda-feira, 13 de julho de 2009

Doce sacrifício





Nada mais há de ser esperado.
Árdua. Bela alínea.

E aqui, começa:

Deixemos. Tudo é efêmero.
Num dobrado de folhas,
No vento sorrateiro da noite,
No último e desgastado gole.

Beberemos dele. Último vinho.

Viveremos. Inútil taça cheia.
Nosso doce vinho sangra.
Nossos imperdoáveis olhos derramam.
Choremos como chuva.

Molharemos. Últimas lágrimas.

Amemos. Não há outra maneira.
Debalde nunca haveria, pois amamos.
Sacrifício. Doce, sacrifico.
Beberemos desse cálice.



Sofreremos dela. Última saudade.



P.s.: Eu te amo

Um comentário:

  1. A vivência de cada um... isolada na sua individualidade se torna dual e divide-se silenciosamente, quando compartimos em palavras o que sentimos, como sentimos e nossa forma de encarar... É a vida! E não é bonita! É lindaaaaa! Essa produção me tocou.... profundamente!

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP