sexta-feira, 8 de maio de 2009

Versos descabidos



Dispersa figura errante baila pela noite até o dia.
E uma aparente tristeza se desenha. A lua inveja.
Sim, pois é somente a ela que cabe ser só e fria.

Desejas fazer versos. Versos tristes e descabidos.
Esses que a caneta aperta e os fazem sangrar.
Escorre uma tinta azul dos pobres versos feridos,
pois, carregam as culpas dos que não sabem amar.

E nessa mistura de lua escondida e versos desgarrados,
Vejo tua figura escondida atrás de uns nimbos pesados.

Tu te escondes, porque sabe que a lua pode revelar-te.
Então, não tenhas pressa figura errante. Voa!
Há um céu todo espaçoso e sem limites a esperar-te,
Lança-te! Mesmo que voar e cair sempre te doa.


Um comentário:

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP