sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Onde moro


Eu não habito “um nada”.
Minha morada é segura, mesmo que imperfeita.
Não moro mais em uma casinha branca,
Como todas as outras daquela rua igual,
Da mesma cidade de sempre.
Eu sou talvez, só o que acho “normal”,
mas, sou sempre eu, em qualquer casa que eu entre.
Moro no meu mundo e nele há poesia,
E nesse mundo, digo, somente o que sou:
Eu sou aquela que na escrita, um dia se salvou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP