domingo, 27 de setembro de 2009

Passage du silence


Coração sentenciado ao silêncio.
Sofreguidão não se extingue,
do ontem para o agora.
As pessoas não conversam por estas ruas.
Posso registrar cada olhar estático.
Sou eu em cada um desses humanos que passam.

Silencio meu grito. Sorvo-me de lágrimas,
depois, sorrio discretamente.
Não quero registros felizes,
poderei despertar os desafetos.
Caminho no silêncio cinzento desse concreto.
Nessa amplidão massacro as folhas, já mortas.

Sei pisar sem causar espanto.
Sei aceitar qualquer maior entendimento.
E passo às pressas, ritmando os passos.
As passagens são escuras e frias.
O chão é espesso e sujo de papéis esquecidos.
O vento restringe-se em pequenos sopros.

Não acumulo nenhum desentendido.
Apenas caminho minha rota escolhida.
Sempre em silencio.

Só há o agito desse peito inquieto.
Inquieto de sentimentos.
Desgarrado de sentidos.
Andante destas ruas.










2 comentários:

  1. Gostei dessa ideia de andar pelas ruas e ser todos e nehum, carrega em si tudo no silêncio, belo texto............as palavras me trouxeram até seu blogue rs

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  2. Quem sabe só poesia...um peito inquieto...o silêncio de um grito...

    :)

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP