segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Reflexão sobre o amor

Quando uma pessoa ama, deve haver liberdade - a pessoa deve estar livre, não só da outra, mas também de si própria. No estado de pertencer a outro, de ser psicologicamente nutrido por outro, de outro depender - em tudo isso existe sempre, necessariamente, a ansiedade, o medo, o ciúme, a culpa, e enquanto existe medo, não existe amor. A mente que se acha nas garras do sofrimento jamais conhecerá o amor; o sentimentalismo e a emotividade nada, absolutamente nada, têm que ver com o amor. Por conseguinte, o amor nada tem em comum com o prazer e o desejo.

O amor não é produto de pensamento, que é o passado. O pensamento não pode de modo nenhum cultivar o amor. O amor não se deixa cercar e enredar pelo ciúme; porque o ciúme vem do passado. O amor é sempre o presente ativo. Não é "amarei" ou "amei". Se conheceis o amor, não seguireis ninguém. O amor não obedece. Quando se ama, não há respeito nem desrespeito.
Não sabeis o que significa amar realmente alguém - amar sem ódio, sem ciúme, sem raiva, sem procurar interferir no que o outro faz ou pensa, sem condenar, sem comparar - não sabeis o que isto significa? Quando há amor, há comparação? Quando amais alguém de todo o coração, com toda a vossa mente, todo o vosso corpo, todo o vosso ser, existe comparação? Quando vos abandonais completamente a esse amor, não existe "o outro".

O amor tem responsabilidades e deveres, e emprega tais palavras? Quando fazeis alguma coisa por dever, há nisso amor? No dever não há amor. A estrutura do dever, na qual o ente humano se vê aprisionado, o está destruindo.A mente que busca não é uma mente apaixonada, e não buscar o amor é a única maneira de encontrá-lo; encontrá-lo inesperadamente e não como resultado de qualquer esforço ou experiência. Esse amor, como vereis, não é do tempo; ele é tanto pessoal, como impessoal, tanto um só como multidão. Como uma flor perfumosa, podeis aspirar-lhe o perfume, ou passar por ele sem o notardes. Aquela flor é para todos e para aquele que se curva para aspirá-la profundamente e olhá-la com deleite. Quer estejamos muito perto, no jardim, quer muito longe, isso é indiferente à flor, porque ela está cheia de seu perfume e pronta para reparti-lo com todos.

O amor é uma coisa nova, fresca, viva. Não tem ontem nem amanhã. Está além da confusão do pensamento. Só a mente inocente sabe o que é o amor, e a mente inocente pode viver no mundo não inocente. O amor não conhece o oposto, não conhece conflito.
Compreendeis o que isso significa? Significa que não estais buscando, nem desejando, nem perseguindo; não existe nenhum centro. Há, então, o amor.

De Jiddu Krishnamurti adaptado por Jacque.

5 comentários:

  1. Seu post me lembrou de várias coisas...
    Uma foi um trecho de uma música da Alanis em que ela diz: Do you derive joy from diving in and seeing that loving someone can actually feel like freedom?

    Outra me lembrou de uma época em que eu encarava o amor como dependência, necessidade de que o outro seja seu, egoísmo. Ainda bem que mudei de opinião... -rs;

    Amei!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com cada palavra sua.
    Temos um coração que sente, que chora, que espera,que adoece, mas que cansa e que uma dia acorda porque precisa viver!Eis a cura! Querer viver e ser feliz!
    Obrigado Jacqueline, desejo à você assim como a mim mesma, que encontremos motivações sinceras para amar e ser amadas!

    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  3. Fabi! Que maravilha ter você por aqui! Suas palavras são sempre de bom grado ao meus olhos. Concordo contigo que realmente um dia a gente acorda, e querer viver e ser feliz de verdade é o que realmente vale a pena. Sim, encontraremos motivações sinceras, porque somos donas da capacidade de amar de verdade.

    Um abraço sincero e carinhoso pra ti também.

    ResponderExcluir
  4. Linda, que maravilhoso seu texto!!

    Ameiiiii, me identifiquei muito!!

    Feliz 2010!!!!!!!!!!!

    Parabéns pelo espaço!
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Fico muito feliz por termos opiniões tão semelhantes sobre o amor. Foi um valioso achado o seu blog... E com certeza ainda vamos filosofar bíblias inteiras sobre ele, o amor.

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP