sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Andanças

Uma leve brisa beija-lhe a face
enquanto conta os passos pela estrada.
Somam-se ao os insolúveis suspiros
e as lágrimas que escorrem seguidas.
O traçado é visto num desconforme
iluminado pelo cair da alvorada.
E os passos tão calmos não trazem
motivos para idas ou vindas.

Uma dor carregada perfura-lhe o peito
como espada suja e afiada.
Arrastando-lhe à lembrança mal enterrada,
submersa e aparente.
Já não sabe do que são feitas essas horas.
Já não sabe de mais nada.
Caminha sem percepções ao som
de um melódico ritmo descrente.

Rutilam pensamentos que se seguem
pela rota estabelecida.
Uma rota sem sentido,
guiada apenas pela vontade infinita de amar.
E mesmo sem saber, um exausto coração no peito,
faz ainda ter-lhe vida.
Cai à noite, e no céu, além de uma lua,
vê que há estrelas. Ainda há.

O coração sabe que em cada deserto de uma alma,
há um oásis escondido.
Existe uma breve esperança,
pois essa dor de agora é como um lago raso.
Que apesar de parecer profundo
apenas engana aquele que tem sofrido.
E sofrer é parte disso tudo.
Viver já não é meramente um infundo acaso.

O que sustenta é justamente tudo o que se vive:
os sopros de esperanças.
E quando do silêncio envolto em trevas,
faz ressurgir o brilho tão esperado.
Sorri ao que aquece e passa a entender
do que são feitas as andanças:
Há em vida sofrimentos,
mas, o amor, jamais se faz de desacreditado.

14 comentários:

  1. "Uma dor carregada perfura-lhe o peito
    como espada suja e afiada"
    és poeta, coisa rara de encontarmos por aí...

    ResponderExcluir
  2. Jacque...

    A vida é um eterno cruzar de mar
    navegando sem rumo e sem norte,
    em busca de um corpo de amor...
    ao sabor do destino, do querer e da sorte!


    Lindo o teu poema...

    Beijos
    AL

    ResponderExcluir
  3. E por mais que aja dor, há sempre quem acredite no amor..

    ResponderExcluir
  4. Minha alma sentiu desalento...
    Oras...mais uma poeta pra eu seguir. Não se sinta uma Estranha por se sentir diferente por ser poeta.Sinta-se Estranha por ser poeta! Não se cala um poeta!!!
    esmaques pra ti querida rebelde!

    ResponderExcluir
  5. Tive que segurar minha alma enquanto lia estas sublimes entrelinhas....

    minha alma já anda buscando um porto seguro e, certamente, aqui, em seu canto estarei muito mais do que seguro!

    Sinto-me em casa aqui. Clçaro, mediante a belas palavras aliadas a uma pessoa boníssima ñ poderia ser de outra forma!

    Incontáveis abraços.

    ResponderExcluir
  6. Tocou, como a sapiência de poeta, como seria de esperar, os grandes vectores da vida humana. Verdades metafísicas - amor, dor, esperança, etc. - que constituem o ser do Homem, mais do que a face externa. Acho, sinceramente, que o Homem da actualidade esquece-se do seu mundo interior e hiper-valoriza o exterior. É a futilidade de dever ser e não propriamente do Ser. Mas isto dar-nos-ia quilómetros de conversa, onde cairíamos, consensualmente, no valor dos sentimentos e das verdades universais.

    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Ediney, obrigada pelo elogio! Encantador!

    Obrigada por vir aqui e deixar suas impressões!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. AL, adoro quando deixa teus versos! Fico feliz em saber que um poeta como você me acompanha.

    Um beijo grande!

    ResponderExcluir
  9. Tatiane, jamais devemos desacreditar, isso é certo.

    Um beijo, minha linda!

    ResponderExcluir
  10. Marisete, ah! que bom que veio aqui! É um prazer pra mim, saber gostou da minha poesia. É.. devemos aceitar quem somos. Gostei dessa definição que deixou aí: "rebelde", rs...

    Um beijo grande!

    ResponderExcluir
  11. Carlo, meu lindo! Que bom saber que você sente-se seguro nessas minhas linhas! Você é um fofo! Sinta aqui, a paz que precisa, meu querido!

    Um beijo enormeeeeeeeeeeee pra você!

    ResponderExcluir
  12. Luís, você como sempre, muito sensato em suas doces palavras. Também acho que há uma valorização assombrosa do exterior, e que nada é mais importante do que o Ser. Se de alguma maneira a minha poesia enxerga o íntimo de nós, sinto-me honrada.

    Um beijo, meu lindo!

    ResponderExcluir
  13. Primeira vez...e já sinto que virei outras vezes... muito bom!!!
    beijos...

    ResponderExcluir
  14. Venha quantas vezes quiser, minha linda! É um prazer tê-la aqui!

    Beijos...

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP