quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

O simples da vida

Almas vazias.
Barcos abandonados.
Corações calados.
Onde o humano se perdeu?
As ruas estão cheias de rostos iguais.
Tudo parece ermo e vago.
Tênue e longe.
Todos caminham como se sentissem sono.
Carregam uma alheia mágoa.
Inclinam-se a haste da tristeza.
Arrastam correntes enferrujadas.
Do meu lado a eterna angústia da revolta.
Às vezes não me entendo comigo.
Tivesse eu a dosagem certa,
do remédio que curaria todas as dores.
Mas, sou poeta que admira o vento.
O dobrado das folhas douradas do trigo.
As cicatrizes dos antigos arvoredos.
As libélulas soltas nas superfícies dos lagos.
As crianças que ainda brincam descalças.
Os velhos que contam as mesmas histórias.
A chuva que beija a terra tranquila.
O sol que é comum e bom, todos os dias.
E nessa minha poesia, regada do simples,
meus olhos enxergam a grandeza de tudo
nesses pequenos acontecimentos de vida.

20 comentários:

  1. ...
    Sentiu tudo de bom...
    Simplicidade absoluta.
    Bjs
    ...

    ResponderExcluir
  2. Jacque!!

    Belissimo texto!!

    O ser humano perde-se dentro de si mesmo...

    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. lindo lindo, simplismente maravilhoso :D

    ResponderExcluir
  4. Julio, obrigada! É da alma!

    Um beijo

    ResponderExcluir
  5. Ju, minha linda! Nos perdemos muitas vezes e deixamos de lado as coisas simples.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Fabio Rocha! Quanta honra! É um prazer ter um poeta como você por aqui!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. Cah, obrigada pelo elogio sincero!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. "Às vezes não me entendo comigo.
    Tivesse eu a dosagem certa,
    do remédio que curaria todas as dores.
    Mas, sou poeta que admira o vento."

    Muito lindo seu blogue; muito rica e certeira a sua poesia.

    Bjs e inté!

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem , passei por qui e gostei do seu blog já estou seguindo.
    Admiro a poesia, Deus te abençoe.
    Dá um pulinho depois no meu blog, valeu?
    Paz.

    ResponderExcluir
  10. " Simples assim e belo assim também"

    "E nessa minha poesia, regada do simples,
    meus olhos enxergam a grandeza de tudo
    nesses pequenos acontecimentos de vida."

    ResponderExcluir
  11. Jacque,

    O lirismo do poema é belissimo... tal como o são as coisas simples!

    Um beijo
    AL

    ResponderExcluir
  12. Simplicidsade...ternura...lenidade...encanto....

    o quie mais?

    ah, me faltaria palavras em menet, mas nunca inspiração em meu coração para lhe aplaudir. Magnífico. =)

    Comecei a trabalhar esta semana, portanto, pode acontecer de eu demorar a passar aqui e até mesmo a postar lá...mas, sempre me lembrarei de ti e do seu espaço!!!

    Incontáveis abraços.

    ResponderExcluir
  13. Ju Rogoni, obrigada minha linda! Agradeço sua presença aqui. Obrigada pelo elogio sincero.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Alisson, obrigada! É um prazer tê-lo aqui. Gostamos de poesia então! Seja bem vindo ao Poética!

    Um abraço, fique com Deus!

    ResponderExcluir
  15. Antonio, meu querido poeta! Simplicidade, poesia... vida! Meus olhos contemplam a beleza disso tudo e faço versos simples como tudo deve ser na vida.

    Eu adoro você, meu grande amigo poeta!

    ResponderExcluir
  16. AL, o simples é belo.

    Não há verdade mais absoluta que essa.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  17. Carlo, meu bom amigo. Obrigada pelo carinho sempre declarado da forma mais sincera.

    Bom trabalho meu amigo. Não deixarei de estar por lá. Cuide-se e lembre-se de enxergar as coisas simples da vida, sempre...


    Incontáveis abraços!

    ResponderExcluir
  18. Lindo poema, Parabéns! Poucas são as pessoas que sentem, vêem e vivenciam a simplicidade da vida, vivem realmente como carregando correntes pesadas. Mas Adorei quando vc expresa que admira o vento e a simnplicidade das coisas.Mas este é o grande mistério que Deus nos proporciona, ver as coisas simples é ver Deus nelas. E vc vê.

    Deus te abençoe

    Abraço

    ResponderExcluir
  19. Oi, meu amigo Fabiano! Realmente, muitos deixam de ver o lado simples das coisas. Eu, quando quero esquecer, entender das coisas e renovar a alma, procuro estar perto disso tudo. Vejo Deus na natureza. O que seríamos sem o ar, sol, água, vento... O que seríamos sem essa harmonia toda? Nada. Nem aqui, existiríamos. Quando Fernando Pessoa, escreve em heterônio de Alberto Caeiro, ele diz:

    "Eu acredito em Deus a toda hora, basta abrir a porta e ver. Deus é os pássaros, a flores, o sol e o luar..."

    Meu amigo, obrigada por estar sempre por aqui.

    Deus te abençoe grandemente.

    Abraço.

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP