terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Estranheza poética

Redemoinha o pensamento em desengano.
É preciso cautela quando penso.
Há um mistério em mim e em todos que conheço.
Caminho junto ao ingênuo e o profano.
Guardo uma significação que nem sei.
Quando se é poeta, inventa.
E eu já inventei.
Saber e não saber já não me importa.
Sabes tu, dos outros?
Sabes de ti?
Toca-te a largueza do vento ou a leve brisa?
Sabes quais frutos cultivas o teu coração?
Não me agrada quando penso.
Minha alma se consome em alvoroço.
Quem pensa e sente em demasia,
Estranha-se.
Pudera eu deixar de lado a confusão.
Pudera eu de fato entender do que não sei.
Não sei se estou agora na lipotimia dos sentimentos
ou, na veracidade absoluta da razão.

*Entender é trancar-se dentro da palavra.






18 comentários:

  1. Eu sei que Pessoa é uma grande influência na sua poesia. E nota-se. Tudo isto respira de nostalgia, alguma dor de pensar, muito fingimento artístico e uma pitada cândida de Caeiro. Gosto de tudo. És como uma mescla do que mais gosto de Pessoa.
    E é isto ser-se poeta. Vai muito para além da rima bem posta, do sentimento normal e das palavras em latim dos grandes clássicos. Ser poeta é ser gente e fazer-se de gente. Aliás, isso é ser-se artista, e a poesia é uma arte. E Jacque, você já se assume, mas eu reforço: Você é uma poética. Mais, você é um poeta. Em todo o esplendor. É-o porque eu sinto. E se o eu sinto é verdade, pelo menos para mim.

    um enoorrrrrme beijo!

    ResponderExcluir
  2. Luís, como posso ler uma coisa dessas e não me emocionar: " És como uma mescla do que mais gosto de Pessoa", "Você é uma poética. Mais, você é um poeta. Em todo o esplendor".

    Sinceramente, eu me sinto tão lisonjeada que chego a acreditar que mereço isso tudo. Eu me encontro e desencontro numa facilidade absurda quando escrevo. Esse ópio que me toma, faz-me entender das coisas, mesmo quando minhas palavras parecem imcompreensíveis. Quando as pessoas tão sinceramente deixam aqui suas impressões, eu logo penso: Deus, meu... eu toquei a alma delas de alguma maneira. E pra mim, a poesia toca a alma da maneira mais pura e sincera. Eu sou assim, meu amigo. Escrevo com quem morre de fome todo dia. Escrevo como quem respira. A palavra é meu grito de desespero e socorro. O amor minha inspiração maior. Conhecer a mim e ao mundo é hiponotizar-me nessas minhas linhas, muitas vezes desprovidas de métricas... Eu sou dependente disso tudo.

    Luís, obrigada. Você me emocionou.

    Um abraço carregado de carinho e um beijo sincero!

    ResponderExcluir
  3. ...
    Oie Jacque...

    "Quem pensa e sente em demasia, Estranha-se".
    ...
    Vivo me estranhando.
    ...
    Beijos pra ti.
    ...

    ResponderExcluir
  4. Jacque...

    Uma delicia este teu poema!
    Lirismo, expressão poética e talento!

    Beijos...
    AL

    ResponderExcluir
  5. Acredite, Jacque. Se há traço marcante da minha personalidade é aquele que não me deixa oferecer nada sem eu sentir que o outro merece. Eu não digo, faço nem me permito a nada que não sinta ou que seja gratuito. Quero ser eu em tudo, principalmente nas relações com os outros. Eu próprio sou verdadeiro, mesmo nesta virtualidade que parece plastificar as pessoas numa redoma de pseudo-identidade.

    Um beijo MEGA enoooooorme. Estarei cá sempre, consigo e o seu talento!

    ResponderExcluir
  6. "Quem pensa e sente em demasia, Estranha-se".
    É por isso que temos pensamentos tão semelhantes sobre o amor.
    Mais um texto lindo, Jacque.

    PS: andei meio ausente por aqui, porque essas chuvas me deixaram sem internet por uns dias, rs. Mais voltei agora e espero que não precise mais ficar sem :/

    ResponderExcluir
  7. Olá, Jacque.

    Muito bom o que escreveu. Me fez pensar quanto ao que seria da vida se não fosse o desconhecimento. É ele que nos conduz (adiante). ^^

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Julio, somos dois então, rs!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. AL, obrigada! Sinto-me honrada! É sempre um prazer a tua presença aqui!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Luís, obeigada sempre, de coração. Você é uma pessoa admirável!

    Um beijo enormeeeeeeeeeee!

    ResponderExcluir
  11. Flávia, menina, eu adorei seu último texto! Pensamos mesmo de forma semelhante!

    Um beijoo!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Renato, seja bem-vindo! É o pensar que nos leva adiante, você tem toda razão.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  13. Sempre tocando cada ponto da nossa alma, né?

    Certas horas esqueço de saber quem eu sou...assim, torno o "fim" menos chato e tento traçar desde então um novo caminho... ;)

    Quantas saudades de ti.

    Comecei a trabalhar e por isso tenho me ausentado bastaaaaaaaante do blog (INFELIZMEEEEEEEENTE)

    Incontáveis abraços.

    ResponderExcluir
  14. Oi Jacque,
    Antes de mais nada gostaria de dizer que estou fascinada com seu blog. Qta poesia sua alma exprime hein?! E esses poemas aí em colunas e os poucos q li nos demais abaixo,me identifiquei metricamente em tdo! Parabéns!E antes de ir-me quero dizer outra coisa q vi depois no seu perfil que li aqui. Vc disse que " no quem sou" que "sou poesia, quem sabe". Pelo pouco que li aqui e senti cada arrepio no corpo e na alma (desculpe, Jacque costumo ser um pouco exagerada, mas é o que senti!), te digo que quem sabe não! Vc já é: poesia.
    Vou visitar mais vezes.
    Até de repente!
    Besos.

    ResponderExcluir
  15. Jacque,

    Vim reler-te, rever-te... e deixar um beijo!
    AL

    ResponderExcluir
  16. Carlo, que saudade! Te adoro, não se preocupe, meu lindo!

    Beijos, e... Incontáveis abraços!

    ResponderExcluir
  17. Fe, nossa quando alegria ao ler esse seu comentário. Obrigada pelas palavras de carinho. Que bom que gostou do Poética, seja bem vinda. Que bom que se identificou com minhas palavras, me sinto feliz demais quando as pessoas dizem isso a respeito do que escrevo. Sinto-me realizada.

    Um beijo carinho, volte sempre!

    ResponderExcluir
  18. AL, venha quantas vezes quiser, leia-me quantas vezes achar necessário e... deixe-me sempre um beijo! :)

    Um beijo pra ti também!

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP