terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Ímpeto de paz

Entre o sono e a vigília deixo as palavras verdadeiras,
onde em sonho algemo meus vagos propósitos de antes,
e em realidade desprendo-me das coisas costumeiras,
para seguir vivendo do entorpecer dos meus instantes.

O tempo que agora enxergo não é mais longe ou perto.
É um tempo meu essencial a iludir-me como quero.
E nessa andança orquestrada pelo ritmo certo,
traço os verso que em mim é o que há de mais sincero.

Vivo em vida de verdade, longe da confusão quieta
e dos dias onde imperava a exausta morbidez.
E a agonia antes compulsiva, das amarras se liberta,
para seguir retomando a paz que um dia se desfez.

12 comentários:

  1. Em sonhos tenho somente dormido, já basta eu algemar todo o meu cotidiano acordado....


    Um dia podemos voltar a sorrir, basta querer seguir e nos libertarmos dessas amarras que, por muitas vezes, a gente mesmo se impõe. =)

    Incontáveis abraços, querida.

    ResponderExcluir
  2. Jaccke

    Entre o sonho e a vigilia,
    talvez sintas uma felicidade dos dedos,
    um fluir cálido do sol
    deslizando na absoluta densidade
    do indesvendável!


    Lindo o teu poema!
    Beijoss...
    AL

    ResponderExcluir
  3. Oi, Poeta... Obrigada sempre! Gosto demais da sua sinceridade!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Carlo, justamente... nós mesmos muitas vezes nos impomos a situações, mas, somos capazes de mudar qualquer situação, disso não duvido nunca!

    Um beijo, meu lindo!

    ResponderExcluir
  5. AL, obrigada sempre! Adorei teus versos de agora, que bom que deixou esse carinho aqui!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. é como se o trajeto fosse a possibilidade dela reavaliar seus valores e construir novos paradigmas. Lindo!

    ah sim, devo dizer que tue layout é um encanto. Foi feito por ti? :]

    abraços

    ResponderExcluir
  7. Oi, Renato! Obrigada pelo elogio!

    Quanto ao lay, eu fiz algumas coisinhas, mas o original está no site que se encontra do lado esquerdo no fim da página. Lá você encontra uns lindíssimos!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. Obrigada, Sônia! Um elogio vindo de uma poetisa como você, só me enobrece.

    Beijo

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP