quarta-feira, 13 de janeiro de 2010


Eu: pq as coisas não são como queremos?
Ele: para valerem à pena.

Dessa vez eu mereço. Eu preciso aprender a ponderar a inquietação que me consome. Sem alarde, sem promessas... Estou mal acostumada, babe. Preciso da paz que envolve seus olhos, do sossego que seus braços me trazem. Eu preciso do que há de melhor em nós. Não está sendo fácil, mesmo eu sabendo que realmente não seria. Isso ainda não atenua meus pensamentos de saudade. Vamos pacientemente saber de tudo o que somos. Fico a ouvir as canções, a traçar os versos dessa minha poesia que trago à tona aos seus olhos, para que você saiba que sou todo esse sentimento.

Não deixe meus extremos te assustarem, não fuja de mim que sou assim. Faça como tem feito, seja a minha paz de sempre, minha rota estabelecia e minha sensatez que eu nunca tive. Dá-me a razão de ser tranqüila e serena. E dou a você o que tanto te encanta: a minha necessidade de cuidar e viver somente para te fazer sorrir e te amar, só pra te ver pedir um abraço quando o mundo parecer tão estranho. Eu quero sempre que me digas que sou sua loucura moderada e sua necessidade de vida.
Irá valer à pena, eu sei. Tudo sempre vale.

19 comentários:

  1. Que lindo isso!!!

    Lindo mesmo!

    ''Dá-me a razão de ser tranqüila e serena. E dou a você o que tanto te encanta: a minha necessidade de cuidar e viver somente para te fazer sorrir e te amar''


    O amor dói,mas sem dor a alma não cresce,não se sustenta...


    bjoss

    ResponderExcluir
  2. Ah, as dores e os amores... O que seríamos sem tudo isso?

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. As dores e os amores constituem o ser humano...(((AINDA BEM))). Já pensou como seria entediante viver só de amor, ou, triste viver só de dor?

    Lindas e como sempre, encantadoras palavras.

    Sabe, de certa forma, vc me entusiasma cada vez mais a escrever, sabe pq? pq vc ñ entende só as minhas palavras, mas, sim, tudo que quero dizer em entrewlinhas que muitas vezes podem parecer tortas, mas, estão sempre com uma mesma linha de raciocínio: dor-amor-tristeza-felicidade!

    Incontáveis abraços, querida.

    ResponderExcluir
  4. Nossa!!! Quantas viagens se passam enquanto as dores estão junto ao travesseiro...

    Depois a recordação e o aprendizado.

    Belo texto e obrigado pela visita ao www.biologiabalzaquiana.blogspot.com gostaria que conhecesse o www.sambasuburbano.blogspot.com .

    ResponderExcluir
  5. Ninguém saberá o quanto me identifiquei com este texto... Ou talvez, alguém saberá sim. Você, minha cara, que tão bem o escreveu.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Os poetas são dependentes dos sentimentos dos outros. É a sensação que fico e sempre fiquei. E é uma das razões pelas quais os amo, mas não lhe invejo o labor. Crítico, talvez por ser Sagitário, essa dependência visceral, quase corporal, do outro. O sentimento deveria ser bom e não uma privação do nosso ser. Não acredito que a alma gémea esteja no amor de amante. Acho, ainda assim, que o ser humano não foi feito para viver nesse meio-gás existencial. Mas, a verdade seja dita, o homem nunca foi (nem será) verdadeiramente livre. E o amor é a prova disso.

    Beijo, Jacque.

    ResponderExcluir
  7. Jacque

    Deixo-te um poema do meu livro "Gotas de Luz"
    Espero que gostes...
    Beijos!
    AL




    O amor é um puro acontecer
    É um misto de prazer e de ciúme
    É querer-te loucamente e não te ter
    (o amor é feito de água e lume)

    O amor não se aprende, não se ensina
    É resistir à saudade sem queixume
    É não saber onde começa, onde termina
    (o amor é feito de água e lume)

    É procurar um desejo insatisfeito
    Como quem se busca e não se encontra
    É sentir quebrar dentro do peito

    As amarras, as regras, o costume
    É ousar a coragem de ser contra
    (o amor é feito de água e lume)

    ResponderExcluir
  8. Carlo, de algum modo nos entendemos mesmo. Essa nossa ânsia em escrever, em revelar o que está guardado no peito e alma, nos alivia de alguma forma. Escrevemos sobre dores, amores, alegrias... Escrevemos sobre a vida, meu amigo. E isso vale sempre, e como vale. Não deixe nunca de escrever.

    Um abraço, meu lindo!

    ResponderExcluir
  9. Oi, Rodrigo! Realmente, isso tudo é uma grande viagem! Irei ver o teu outro blog, com certeza!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Angel, que bom que se identificou. Quantas vezes nos deparamos com isso, não é verdade? Acho que nossas alamas inquietas, devem tomar doses de calmaria. Esperar para valer à pena, assim, me disseram, e isso me inspirou a escrever esse texto.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Ah, Luís! Os poetas são uns exagerados! Esperam, acreditam, amam, odeiam... E disso tudo, fazem os versos mais falsos e sinceros. O amor nos prende, Luís, isso é certo. Mas, quem nunca se viu nessa prisão? Ah, meu caro! Não há como ser diferente! "Amor é um marco eterno dominante" - Assim, disse Shakespeare!

    Ah, tão contrário a si é o mesmo amor!!!

    Sinto-me livre e em paz! Quem sabe amo, ou não...

    :)

    Beijos, meu amigo querido! Eu adoro seus comentários!

    ResponderExcluir
  12. AL, nossa que poema lindo! Tanta se fala sobre o amor e ainda há tanto em se falar! Linda a poesia, meu caro poeta! Adoro todas elas, me identifico muito! Obrigada pelos gentis comentários!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  13. "Tudo vale a pena quando a alma não é pequena" Fernando Pessoa.
    Adorei seu espaço..
    Espero poder voltar mais vezes..
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Sim, tudo vale a pena perante a grandiosidade da alma.

    Volte minha linda, será um prazer tê-la por aqui. Teu espaço também é de um encantamento ímpar!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  15. Que texto maravilhoso....

    Para ser feliz plenamente, temos que fazer as pessoas que amamos felizes...

    Então ame... mais e mais!!!

    mil beijosssssssssssssss

    ResponderExcluir
  16. Ahhhh! Vc vive no que escreve, moça! Eu consigo te ver!!! E ver tua alma quando voce escreve.
    É um amor lindo esse! É palpável.
    E eu adoro vir aqui!

    ResponderExcluir
  17. Gu, meu pedaço de vento dançante! Eu adoro quando você vem aqui! É, tua alma não negas o que sente, isso é fato. Então, meu lindo, somos dois a sentir e a escrever!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. se ele te enche de paz, pq vc o atormenta? =)

    a mulher q conseguir responder isso será uma mulher feliz...

    desculpe, nao quis ser indelicado nem nada, mas ando no outro lado da moeda ultimamente

    bjs pra vc

    ResponderExcluir
  19. Gian, meu caro. Eu sou a tormenta dele. A vórtice serena que ele precisa, e ele é a paz que eu quero. Nos equilibramos, nos sintonizamos na mesma frequência. Ele me faz esperar porque sabe da minha inquietude, eu o espero porque sei que em mim ele encontra a paz que procura, e o fluir da vida que um dia desacreditou que existia. Eu não o atormento, eu apenas espero, porque ele me seduz com sua timidez leve, sua loucura contida e o amor declarado que carrega nos olhos e eu simplesmente o faço sentir tudo isso, simples assim...

    Não se desculpe...você não foi indelicado, apenas questionou, viu à sua maneira, somente isso, e eu respeito.

    Um forte abraço!

    Abraço!

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP