quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Angel




Num tempo esquecido, perdido em meio às paisagens desses meus olhos pueris, avistei-te descansando por entre as macieiras. Os raios de sol rompiam o entrelaçado das copas carregadas de róseas, alvas flores, que exalavam por todo bosque um aroma único. Tu eras aos olhos, a visão mais encantadora, doce e terna que nenhum apaixonado artista poderia pintar ou esculpir. Eras o belo em toda a sua essência. Tu dormias. Fiquei a te observar por entre os arbustos menores que me eram cúmplices naquele momento. Tu se mexias, como se sonhasse voando entre a maciez das nuvens desse mesmo céu , manto celeste, tua morada, de onde tu vieste. De repente, virastes do outro lado, deixando-me a vista o que os meus olhos jamais poderiam imaginar testemunhar. Vi as tuas asas, encolhidas junto ao teu dorso, aquecendo-te como num abraço. Um anjo do céu, dormindo a semelha, de um anjo do céu. Aproximei-me, e, provei aos meus olhos que duvidavam da tua presença, que estava ali, debaixo da macieira, a personificação desses seres alados. Perdi-me das coisas, ao fitá-lo, assim, tão manso e doce a respirar como se pairasse entre flores novas. Fiquei a observar-te por não sei que tempo, pois se de mim, já o era perdido, agora nem sentido fazia em encontrá-lo. Num movimento leve, que me fez esconder-se novamente, tu abres os olhos, e vejo, por fim, porque meus pés me trouxeram até a ti. Teus olhos, expressão maior do encanto, primórdio do equilíbrio entre os céus e terra, mistura de âmbares e esmeraldas, matiz única jamais vista, porém, já me eram conhecidos. Tu sorriste ao despertar, e todo sentido fez-se agora no vento, nuvens, verdes e flores... Teu sorriso tudo era. Anjo, por que escondestes tuas asas? Desprevenido, repousando, pude então vê-las, eram as mesmas as quais eu sentia, quando tantas vezes roguei-te ao meu lado. Voa, deixa aqui, o teu segredo guardado em meu peito. Tu me fizeste crer, mesmo que jamais aos meus olhos te mostrastes como anjo. Eu sempre soube, pois só um anjo pode levar-nos ao céu, sem nos tirar os pés do chão.

Um comentário:

  1. Anjos... reais ou não, que cuidam de nós ou apenas sabem de nossa existência...
    Seres capazes de tranformar a mais triste realidade em um puro momento de aprendizado e por isso um belo momento...
    Continue a ter sempre perto esse anjo...Poder sentir que o céu esta perto de nós sem sair do chão é a melhor de todas as sensações...

    Miss you...demasiadamente...

    Um beijo carregado de carinho e muitas saudades

    ResponderExcluir

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP