terça-feira, 4 de agosto de 2009

Ausência




Do alto infinito ermo caminho dessa minha existência,
calcei os pés da úmida terra acolhedora da lágrima minha.
E mesmo num quebranto de lamentos, apeguei-me na ausência,
pois, já não me era vida viver o que eu não tinha.

Sobre os vastos infortúnios vividos ao longo da vida,
poderio maior me fez a falta do que fui um dia.
E a lembrança faminta que dilacera como ferida,
impiedosa, rouba-me as horas de alegria.

A mesma lembrança chega na hora derradeira.
Volto ao que deixei, e a tudo o que vivi naquele tempo.
Tua não presença, agora, não é metade, é inteira.
Tenho junto a mim, meu mais vívido pensamento.

Como prometestes um dia sem demora,
Pertencer a este coração que tanto amor no peito sente.
E assim, de viver-te, tenho vivido a cada hora,
pois a tua ausência, jamais te fez ausente.




A ausência não é a falta.*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que sentiu sua alma?

Vida

Vida
Há muito o que ser escrito...

A quem siga vivendo de alegria ou agonia... Eu sigo vivendo da minha alegre e agonizante poesia.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

  © Blog Design by Simply Fabulous Blogger Templates

Back to TOP